Mantenedores

Evento online ocorre neste mês, com especialistas da multinacional dinamarquesa e empresas e associações parceiras discutindo temas diversos do segmento de ar condicionado e refrigeração

Antonio Borsatti, engenheiro e gerente técnico da Armacell, alerta que os materiais isolantes térmicos e acústicos contribuem para que as edificações atendam aos requisitos da ABNT NBR 15575.

Problemas de campo em compressores – Parte 5 / 7

Fernando C. Madalena | Supervisor de Suporte Técnico e Treinamento | Brasil

Emerson Commercial & Residential Solutions


Continuando nossa série de 7 artigos onde abordamos as falhas mais comuns encontradas em análises de compressores abertos vindos de campo. Falaremos hoje sobre o Golpe de Líquido. Explicando a falha, mostrando as principais causas, apresentando as consequências desta falha no sistema e por fim orientando como prevenir que este tipo de falha não ocorrá.

Golpe de Líquido

Uma vez que exista a presença de grande quantidade fluído refrigerante em estado líquido no , óleo lubrificante ou uma mistura dos dois dentro dos cilindros, o pistão não conseguirá comprimí-lo naturalmente, durante um curto período de tempo, pela válvula de descarga durante a compressão. Logo, este efeito causará uma pressão excessiva no interior do cilindro.

Esta pressão hidrostática criará excessivas cargas no dispositivo de compressão, seja ele pistões, scrolls ou palhetas. Esta pressão no pistão, por exemplo, será retransmitida através da biela e virabrequim e mancal principal, até que um dos componentes não aguente e falhe mecanicamente.

Além disso, esta mistura de fluído refrigerante em excesso com o óleo lubrificante causará uma mistura espumante que faz com que as bombas de óleo, sejam mecânicas ou eletrônicas, passem a não bombear corretamente, causando assim alarmes desnecessários ou até mesmo uma espécie de bypass nestes componentes não alertando o perigo que o compressor esta correndo.

Outro ponto a observar é que contínuo retorno de fluído refrigerante (veja o artigo sobre Retorno de Líquido) no estado líquido no compressor causado por um superaquecimento inadequado (veja também o artigo de ajuste de superaquecimento e o primeiro artigo desta série) também gera uma refrigeração do bloco do compressor, quando este esta desligado.

Este fluído refrigerante em estado líquido que fica retido no bloco do compressor causará um golpe de líquido quando o compressor é ligado novamente (ver artigo anterior sobre partida inundada). Com este ciclo de liga e desliga, que geralmente ocorrem diversas vezes em sistemas de climatização, inúmeros golpes de líquido (de maior e menor proporção) ocorrerão durante um dia inteiro de funcionamento do compressor.

Principais causas:

  • Retorno de fluído refrigerante em estado líquido no compressor;
  • Partida Inundada;
  • Falta de lubrificação;
  • Excesso de fluído refrigerante no sistema;
  • Excesso de óleo lubrificante no sistema.

Principais efeitos:

  • Quebra mecânica das partes do compressor, devido ao mesmo tentar comprimir líquido

Como evitar:

  • Realizar a limpeza do sistema para eliminar os ácidos e resíduos provenientes da contaminação por umidade. Deve-se substituir os filtros secadores por filtros EK com alta capacidade de absorção de ácidos, umidade ou limalhas metálicas dentro do sistema;
  • Instalar um filtro secador na linha de sucção do compressor;
  • Verificar limpeza e fluxo de ar no condensador;
  • Analisar o funcionamento do sistema, no dispositivo de expansão, no evaporador e na carga do fluído refrigerante (o superaquecimento deve ser seguir o que o fabricante da máquina recomendar);
  • Verificar o superaquecimento do fluído refrigerante na linha de sucção. Havendo golpe de líquido, o superaquecimento tenderá a 0K (Zero k) e o efeito desta mistura removerá todo o filme de lubrificação das partes móveis do compressor;
  • Verificar se há longas paradas do compressor. Se houver poderá estar ocorrendo partidas inundadas (A diluição do óleo lubrificante com o fluido refrigerante ocorre durante as paradas prolongadas do compressor, fazendo com que ele perca grande parte das suas qualidades de lubrificação);
  • Após a instalação do compressor no sistema, pressurizar com nitrogênio e realizar testes de vazamento. Evacuar o sistema com mínimo de 500 microns (0,0005 = ou seja, utilizar vacuômetro digital para conseguir verificar essa medida!);

Lançamento do Comitê Nacional de Tratamento de Águas para AVAC-R, o CONATRAT, uma nova Renabrava, um novo conceito a respeito de tratamento de águas no setor, são algumas das atividades em evidência no Departamento de Tratamento de Águas na ABRAVA

Estamos abordando nesta série de 7 artigos as falhas mais comuns encontradas em análises de compressores abertos vindos de campo. Hoje falaremos sobre a Partida Inundada. Explicando a falha, mostrando as principais causas, apresentando as consequências desta falha no sistema e por fim orientando como prevenir que este tipo de falha não ocorrá.

A Armacell Brasil acaba de anunciar a contratação de Francisco Souza, como novo vendedor técnico para o segmento AVAC-R da empresa. O profissional vai atuar diretamente com os clientes de revendas e lojas especializadas em refrigeração e ar condicionado, em âmbito nacional.

A cada dia se torna mais evidente a importância da gestão da Qualidade do Ar de Interiores - QAI, e para atender essa demanda, se faz necessário que profissionais especializados estejam à frente deste tema. E, foi pensando neste cenário, que o Qualindoor - Departamento de Qualidade do Ar Interno da ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento desenvolveu de forma inédita, um programa de capacitação focado no tema que ganhou destaque neste momento de pandemia mundial do Sars-CoV2 (Coronavírus).

Nesta 3 parte da série de 7 artigos iremos abordar falhas mais comuns encontradas em análises de compressores abertos vindos de campo. Hoje falaremos sobre o Retorno de Líquido. Explicando a falha, mostrando as principais causas, apresentando as consequências desta falha no sistema e por fim orientando como prevenir que este tipo de falha não ocorrá.

Retorno de Líquido

É o problema mais comum encontrado nos compressores que sofrem quebra mecânica. Ocorre quando há retorno de fluído refrigerante em estado líquido ao compressor, sendo pela sucção (compressor ligado) ou pela descarga (compressor desligado). Este problema ocorre principalmente quando o superaquecimento do gás na entrada de sucção do compressor está baixo, permitindo que o fluído refrigerante que sai do evaporador apresente líquido, sendo que este deveria estar totalmente evaporado.

A presença do fluído refrigerante em estado líquido no compressor faz com que este se misture ao óleo lubrificante alterando sua capacidade de lubrificação. O efeito desta mistura líquida (óleo lubrificante com fluído refrigerante) é capaz de remover toda a película de lubrificação de óleo nas partes móveis do compressor. Logo, esta perda de lubrificação entre as partes móveis provocará o contato de metal contra metal, gerando o desgaste e a quebra mecânica das peças, que caracteristicamente se manifestará de forma progressiva ao passar do tempo.

Principais Causas:

  • Dimensionamento incorreto da válvula de expansão: Quando a válvula de expansão é dimensionada de maneira incorreta, a mesma permitirá uma passagem maior de fluído refrigerante líquido do que o necessário, principalmente durante o funcionamento em carga parcial;
  • Não utilização de um aquecedor de cárter, ou utilização incorreta (temperatura da resistência menor do que o necessário);
  • Perda de eficiência do evaporador do lado do ar, devido a formação de gelo e incrustações no mesmo. Havendo um fluxo reduzido de ar através de uma serpentina de expansão direta, ocorrerá o congelamento das serpentinas. A presença do gelo isolará a superfície de transferência de calor, impedindo que ocorra a evaporação correta e completa do fluído refrigerante;
  • Superaquecimento calculado incorretamente: Conforme já evidenciado, um cálculo incorreto do superaquecimento na linha do evaporador pode fazer com que o fluído refrigerante não seja evaporado completamente, retornando no estado líquido para o compressor;
  • Incorreta distribuição de ar na face da serpentina do evaporador (queima do ventilador do evaporador, por exemplo). Havendo distribuição incorreta de ar ao longo da serpentina, causando uma temperatura inadequada de sucção, que gera uma flutuação do ponto ideal de operação da válvula de expansão causando o retorno de fluído refrigerante em estado líquido no compressor;
  • Excesso de fluído refrigerante no sistema!

Principais efeitos:

  • Remoção da película de lubrificação das partes móveis do compressor, gerando desgaste progressivo e consequentemente quebra mecânica, além de um ruído excessivo e vibrações anormais. A remoção da película irá gerar os riscos nas peças devido ao atrito.

Problemas decorrentes:

O retorno de líquido no compressor pode gerar os seguintes problemas:

  • Partida Inundada (Próximo artigo);
  • Golpe de Líquido (Parte 5 deste artigo).

Como evitar:

  • Realizar uma limpeza e vácuo no sistema para eliminar os ácidos e resíduos provenientes da contaminação por umidade. Deve-se substitui os filtros secadores por filtros EK com alta capacidade de absorção de ácidos, umidade ou limalhas metálicas dentro do sistema;
  • Nunca reaproveitrar filtros secadores;
  • Instalar um filtro secador na linha de sucção do compressor;
  • Verificar limpeza e fluxo de ar no condensador;
  • Analisar o funcionamento do sistema, no dispositivo de expansão, no evaporador e na carga do fluído refrigerante (o superaquecimento deve ser seguir o que o fabricante da máquina recomendar);
  • Verificar o superaquecimento do fluído refrigerante na linha de sucção. Havendo golpe de líquido, o superaquecimento tenderá a 0K (Zero k) e o efeito desta mistura removerá todo o filme de lubrificação das partes móveis do compressor;
  • Verificar se há longas paradas do compressor. Se houver poderá estar ocorrendo partidas inundadas (veremos isso mais a fundo no próximo artigo sobre Partida Inundada);
  • Após a instalação do compressor no sistema, pressurizar com nitrogênio e realizar testes de vazamento. Evacuar o sistema com mínimo de 500 microns (0,0005 = ou seja, utilizar vacuômetro digital para conseguir verificar essa medida!);
  • Instalação de válvulas de retenção ou até de válvulas solenóides (se a automação do sistema favorecer isso) nas tubulações de sucção e descarga do compressor impedindo a reversão do fluxo de fluído refrigerante por estas linhas.

 

Todo edifício brasileiro, seja público ou privado, é obrigado a manter um Plano de Manutenção, Operação e Controle, o conhecido PMOC. Essa exigência foi criada em 1998 por uma portaria do Ministério da Saúde.

Página 6 de 52

Social

Topo